DESEJO POR VIDA ETERNA

Imagem relacionada
DESEJO POR VIDA ETERNA

Mc.10:17-27

 

Há três deuses que movimentam a história do mundo, os quais são: poder, fama e dinheiro. Todos aqueles que desejam tais coisas, mais do que a Jesus, criam um ídolo subjetivo em seus corações, e consequentemente se tornam semelhantes àquilo que adoram! Jesus, obviamente, ao dialogar com o jovem rico, não estava condenando suas posses, mas a prioridade do seu coração! O Mestre sabia que o jovem amava mais as coisas do que o Criador, portanto sua avareza foi um empecilho para aceitar o convite de Jesus ao discipulado. Veremos quatro verdades apresentadas nesse encontro, as quais são:

 

  1. RELIGIOSIDADE. “Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” (Mc 10:17).

A expressão “que farei?” transmite a ideia de condição, ou seja, o jovem intencionava conhecer o que ele precisava fazer para conquistar a salvação, expressando uma compreensão equivocada acerca da graça de Deus, que é favor imerecido por nós. Inúmeras vezes achamos que podemos comprar com nossas atitudes, ou até mesmo nosso dinheiro, a atenção de Deus, vivendo como religiosos e não como discípulos(as) de Jesus que se relacionam com Ele por gratidão, por tudo o que fez e tem feito por nós!

Compartilhe o que você entende dessa afirmação: Quanto mais religião eu pratico mais perto de Deus eu chego. Qual a diferença entre religião e evangelho?

 

  1. DISCIPULADO. “Olhando para ele, Jesus o amou e disse-lhe: Uma coisa te falta; vai vende tudo o que tens (…) e depois vem e segue-me” (Mc 10:21).

A questão aqui, já mencionada acima, não é a riqueza, mas o coração na riqueza porque “as coisas materiais podem abafar a nossa vida espiritual” (John Stott). Com certeza, Deus quer nos prosperar em todas as áreas, mas nossos corações devem ser completamente Dele! O chamado ao discipulado é radical e exigirá de nós todo o nosso ser!

Você identifica em sua vida algo que é mais importante que Jesus, que precise abrir mão?

 

  1. AMOR AO MUNDO. “Mas ele, abatido por essas palavras, retirou-se triste, porque possuía muitos bens” (Mc 10:22).

O modo como tratamos a Deus não é o modo como Ele nos trata. Deus nunca fica ofendido com nossas ações. Embora o jovem rico tenha optado por sua riqueza, Jesus o amou e teve compaixão. Talvez você tenha optado por caminhos diferentes daquele que Deus planejou para você, e isso tem gerado tristeza e aumentado o vazio em seu coração. Mas o convite de Jesus para uma vida nova ainda permanece aberto a todos, basta você “vender tudo”, abrir mão de tudo, por Ele!

Como você se vê? Como você acha que Deus te vê?

 

  1. GRAÇA. “Quem, então pode ser salvo?” (Mc 10:26).

Serão salvos todos aqueles que foram alcançados pela graça imerecida de Deus, e que entendem que não tem nada a oferecer em troca de tão grande salvação. Quando compreendemos que fomos amados “quando ainda éramos fracos e inimigos de Deus” (Rm 5:6,10) ficamos tão gratos a esse Deus de amor que moldamos nossa vida a vontade Dele, não como uma tentativa de conquistar algum beneficio, mas pela alegria da Sua companhia. Talvez na sua família tenha alguém que, do ponto de vista humano, é impossível se render a Jesus, mas não se esqueça que aquilo que é impossível a nós “é possível para Deus” (Mc 10:27).

Você foi alcançado pela graça de Jesus e aceitou tornar-se um discípulo dele? O que precisamos fazer a partir de agora?

 

CONCLUSÃO

Poder, fama, status, dinheiro ou qualquer outra coisa não podem satisfazer o nosso coração. Somente Cristo pode dar sentido às nossas vidas. Todos aqueles que creram no Senhor Jesus relativizaram as coisas desse mundo porque compreenderam que não há nada aqui que possa trazer vida aos nossos corações. Quem aceitou o fascinante convite de Jesus para andar com Ele, usa as coisas como um meio para um objetivo e não um fim em si mesmo, e tem todo seu coração rendido a Ele. Glória a Deus porque Ele nos fez livres!

 

ELEMENTOS DA BOA LIDERANÇA

Resultado de imagem para liderança
ELEMENTOS DA BOA LIDERANÇA

  • Sabedoria
  • Retidão
  • Paciência
  • Amor
  • Espiritualidade
  • Maturidade

 

1 Sabedoria

Uma boa liderança não requer necessariamente conhecimentos acadêmicos. Devemos começar sendo autênticos, expressando nossas necessidades e mostrando-nos como realmente somos. Ser sábio, algumas vezes, é não considerar as ofensas, comentários ou irritações de outras pessoas. A pessoa sábia não procura vingar-se, procura o melhor em quem o critica, a fim de resgatar o perdido.

2 Retidão

É a qualidade de ser imparcial e reto. Quem exerce a função de discipulador ou líder nunca deve emitir um julgamento sem antes analisar os dois lados da questão. Quem é sábio não pretende ser uma pessoa melhor que outra.

A pessoa que lidera com retidão é aquela que está interessada em resolver as dificuldades que se apresentam. “Não fazendo tempestade em copo d’água.”

Uma maneira prática de mostrar retidão é sendo pontual. Aquele que exige, mas não é pontual, não cumpre com sua responsabilidade.

3 Paciência

Equivale a demorar a aborrecer-se e saber manter a serenidade quando as dificuldades se apresentam.

4 Amor

É a virtude que gera maior responsabilidade no líder. O amor não busca receber, mas dar sem esperar nada em troca.

Quem lidera com amor, faz isso dando a si mesmo, ainda que não ganhe nada em troca é capaz de ver a necessidade das pessoas e buscar uma maneira de ajudar.

O amor conduz a uma liderança melhor. Não usa a autoridade que lhe foi delegada para tirar proveito, mas para servir os outros, e, como consequência, em pouco tempo ganhará o respeito de todos.

A disciplina eficaz é aquela que se alcança por meio do amor.

 

5 Espiritualidade

Toda liderança precisa, em primeiro lugar, ser “cheia do Espírito Santo”, pois só ele poderá dar todas as diretrizes para uma célula vitoriosa.

É importante lembrar que as pessoas só seguirão aqueles que são verdadeiramente espirituais. Uma pessoa espiritual inspira a disciplina necessária para realizar o trabalho sem complicações e trabalha todas as pessoas com responsabilidade.

“Não repreenda asperamente o homem idoso, mas exorte-o como se ele fosse seu pai, trate os jovens como a irmão” 1 Tm. 5:1

6 Maturidade

É o nível de crescimento espiritual alcançado por uma pessoa em sua semelhança a Jesus. Uma pessoa pode ter dons espirituais, pode ser ativa e servir, mas não ter maturidade.

As pessoas buscam a quem seguir e seguirão com uma disciplina maior a quem mostrar uma maturidade verdadeira.

Quem é a pessoa madura?

É aquela que busca viver uma vida equilibrada em todas as áreas de sua vida, fundamentada nos princípios da Palavra de Deus, influenciando outros por meio do seu testemunho.

 

Para refletir:

De que maneira você estabelece sua autoridade?

 

2 ERROS QUE DEVEMOS EVITAR NO SISTEMA DE CÉLULA

Todas as pessoas cometem erros, porém alguns trazem sérias consequências. O propósito é ajudar a superar os obstáculos que possam paralisar o sistema celular. Uma coisa é saber que errar é humano; e outra bem diferente é acomodar-nos ao erro.

2.1 Fazer todo o trabalho na célula

O líder que faz todo o trabalho na célula ficará cansado e não treinará novos membros que poderiam ser líderes. Aprenda a delegar e ensine adequadamente. Delegue aos membros das células as tarefas mais variadas como preparar o louvor, o lanche, telefonar, visitar, convidar, ministrar o estudo, orar etc.

 

 

2.2 Não participar das reuniões do acompanhamento ministerial nem acatar orientações dadas pelo mentor ou pastor

Liderar célula requer comprometimento e responsabilidade, por isso é inadmissível que um líder deixe de participar das reuniões do acompanhamento ministerial, pois nelas é que será orientado com relação às diretrizes e à caminhada da Igreja.

2.3 Afastar-se ou se recusar-se a seguir as orientações dadas pela liderança

Uma célula deformada não se desenvolve, porém células saudáveis multiplicam-se.

Por isso, reveja continuamente os princípios do sistema de célula. Não invente coisas que, em sua opinião, podem funcionar. Siga sempre as orientações dadas pelo seu mentor e pastor.

2.4 Aconselhar inadequadamente

Saiba reconhecer seus limites para aconselhar. Seja humilde e reconheça seus limites, não tenha medo, as pessoas irão respeitá-lo por ser sincero. Se o problema for muito difícil de resolver, leve-o ao mentor e depois ao seu pastor de rede, em última instância ao pastor titular.

2.5 Deixar de desafiar e preparar novos líderes

Um líder que não se preocupa em delegar tarefas, em dar oportunidade para outros, em mentorear novos líderes, dificilmente multiplicará sua célula.

Portanto, é muito importante procurar identificar líderes em potencial entre os membros da célula e desafiá-los a crescer, enviando-os ao CCM para que sejam capacitados. Um bom líder acompanha bem de perto o seu liderado. Na ocasião oportuna, o líder deverá encorajá-lo a assumir uma nova célula.

2.6 Impor metas exageradas

As metas estabelecidas para a célula devem ser razoáveis para que não tragam desânimo e sim estímulo e desafio para toda a célula.

Não imponha suas próprias metas, apenas implemente as que são estabelecidas pela Igreja, de forma a envolver todos os membros da célula no seu cumprimento. As pessoas reagem melhor quando são motivadas do que quando são obrigadas a acatar algo que está acima de suas forças.

2.7 Não direcionar os membros da célula para a igreja

Se os membros participam somente da célula, perdem sua identificação, e, além de ficarem isolados, tornam-se vulneráveis – os lobos atacam as ovelhas que se afastam do rebanho.

Para evitar isso, esforce-se para trazê-los à igreja. Organize uma forma de despertar neles o interesse de participar da grande celebração e não apenas da reunião semanal da célula. Na igreja ele receberá um alimento mais sólido que na célula.

 

2.8 Aproveitar a intimidade que a célula proporciona para alcançar objetivos pessoais

Um líder que se envolve pecaminosamente com algum membro da célula, ou que usa a célula para ganhar qualquer tipo de vantagem, causa um mal terrível. Se as pessoas notarem um interesse mesquinho, ficarão desanimadas e não voltarão mais.

2.9 Mentir ou omitir dados para aparentar que está tudo bem

Mentir independe que seja ajudado. Isso proporciona uma falsa base de dados, o que prejudica as projeções feitas pela igreja. Ao dizer a verdade é possível saber em que o líder pode ser ajudado.

“Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao próximo, pois todos somos membros de um mesmo corpo” Ef. 4:25

  1. COMO PROTEGER SUA CÉLULA

É comum acontecerem situações difíceis, que trazem constrangimentos nas células, e nem sempre os líderes sabem como lidar com elas. Em primeiro lugar, o líder precisa ter bem claro tanto a sua importância como líder como a importância do grupo e agir no sentido de proteger a célula. Ele precisa ver as dificuldades de uma perspectiva correta, buscar ajuda quando necessário e orar sem cessar.

Existem algumas pessoas com personalidade destrutiva ou disfuncional que participam das células, muitas vezes até com o intuito de causar divisão. Essas pessoas precisam ser identificadas e encaminhadas para aconselhamento ou ajuda profissional, para que a célula permaneça saudável. Eis alguns exemplos:

3.1 Membro Pecaminoso

  • Impureza – pecados sexuais como prostituição, adultério, linguagem obscena, gestos obscenos etc.;
  • Avareza – atitude exacerbada em relação ao dinheiro;
  • Idolatria e ocultismo – feitiçaria, ídolos, todos os tipos de adivinhação, prognósticos, consulta a mortos etc.;
  • Maledicência – falso testemunho, calúnia, difamação, infâmia, mexerico, fofoca etc.;
  • Bebedice – o que embriaga com bebidas alcoólicas, drogas, remédios ou qualquer outro tipo de droga;
  • Furto – ladrão, assaltante, sonegador, chantagista, extorsão etc.

Como lidar? – Primeiro, deverá ser admoestado pelo irmão que presenciou os fatos. Se o faltoso vier a abandonar o erro, este deverá ser encoberto. Se voltar a pecar, deverá ser admoestado pelo líder em companhia da testemunha do pecado, e, caso ele não mude de conduta, o líder deve entregar o caso ao mentor, evitando assim contagiar os demais.

 

3.2 Membro que se acha mais espiritual do que os outros

Essa pessoa irá criticar o líder para mostrar que é mais capacitada e experiente. Vai tentar impressionar e quase sempre polemizará a reunião, com a intenção de enfraquecer o líder e dividir o grupo.

Como lidar? O líder não deve encorajá-lo a falar de suas experiências, evitando que monopolize a reunião, mas deve mostrar-lhe os objetivos do grupo e como ele pode ser útil.

3.3 Membros de outras denominações

Membros de outras igrejas ou pessoas que são discipulados por outros líderes e frequentam as células normalmente são pessoas que gostam de se referir aos princípios de outras denominações. Gostam também de fazer comparações entre os dois lugares, gerando polêmica e questionamentos que podem trazer confusão e até mesmo levar a célula à divisão.

Como lidar? Não permita que esse tipo de pessoa influencie ninguém do grupo. Encoraje-o a reunir-se em células de sua própria denominação.

3.4 Pastores que vêm de fora, Missionários, Profetas etc.

Normalmente eles vão ao grupo e resistem à autoridade do líder, muitas vezes até tentando controlar o líder e ostentando posições.

Como lidar? O líder não deve se intimidar com o título de pastor, deve dizer que é bem-vindo, como ouvinte, e ter bem claro o seu papel de líder, na direção da reunião. Deve evitar também que eles monopolizem a reunião.

Não é permitido que pastores, missionários ou profetas de outras igrejas ministrem nas reuniões da célula.

3.5 O irmão muito falante

Normalmente não consegue falar um assunto coerente e conta longas histórias sem objetivo e muda de assunto o tempo todo.

Como lidar? O líder deve intervir e ajudar o irmão a responder às perguntas, mas se persistir deve dizer, por exemplo, que as respostas estão limitadas a 30 segundos por pessoa. O líder deve conversar em particular com o irmão e dizer-lhe “com amor e cuidado” para que seja mais sucinto, evitando assim gerar desinteresse por parte do grupo e até antipatia.

3.6 O crítico da Igreja

Esse tipo de pessoa pode fazer com que um espírito de divisão penetre no grupo e poderá se tornar um tropeço na vida da igreja.

Como lidar? Todos podem fazer críticas, mas deverá ser colocado de forma bem clara que o grupo não é o lugar ideal para essas críticas, e que ele deverá fazê-las pessoalmente. O líder deverá mostrar que as críticas em público devem ser evitadas, principalmente na célula.

 

3.7 Anfitriões que não correspondem

Um anfitrião que fica no quarto ou tenta manipular o grupo, ou ainda, que deixa um ambiente hostil à reunião da célula.

Como lidar? O líder deve admoestá-los em amor e mostrar-lhe o seu papel no grupo. Se os problemas continuarem, a solução é mudar o local da reunião.

3.8 Crianças indisciplinadas

Uma repreensão pública pode inibir os pais a levarem seus filhos na reunião, mas se o problema persistir pode sobrecarregar o anfitrião.

Como lidar? Se os pais forem novos, temos de agir com paciência, mas se forem maduros, a solução é uma conversa objetiva e clara em particular e, se necessário, a orientação pública sobre o problema.

3.9 O Antagonista

Esse tipo de pessoa traz muitas dificuldades para o líder e, geralmente, tem algumas características que lhe são peculiares. Muda de célula várias vezes porque não se adapta a nenhuma delas. Sempre tem uma crítica aos líderes anteriores e gosta muito de usar a expressão “os outros estão dizendo que…” para encobrir sua própria opinião.

Como lidar? O líder deve sempre se antecipar ao antagonista, procurando agir tão logo qualquer situação conflitante surja. Deverá ser firme para que o grupo fique protegido, porém deverá ter habilidade para não rotular o antagonista. Quando necessário, deverá indicar a ele um local adequado para o tratamento.

__________________________________________________________________________

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

COMISKEY, Joe. Crescimento Explosivo da Igreja em Células. Ministério Igreja em Células.

MOREIRA, Dinamárcia Faria Barbosa. Igreja em Células. Promove Artes Gráficas.

NEIGHBOUR, Ralph W. Manual do Líder de Célula. Ministério Igreja em Células.

NEWMANN, Mikel. Alcançar a cidade. Editora Vida Nova.

RIVAS, Pastor José Reyes. Apostila: Seminário de Capacitación para Líderes Celulares. Misión Cristiana Elim: San Salvador, Colaboração: Weliton Rodrigues, Wéssila Cruzeiro e Marco Antonio Ferreira.

SILVA, Aluízio A. Manual da Visão de Células. Editora Videira.

STOCKSTILL, Larry. A Igreja em Células. Editora Betânia.

WARREN, Rick. Uma vida com Propósitos. Editora Vida.