Escola de Discípulos Lição 7 – A Igreja

Lição 7

A DOUTRINA DA IGREJA

O ensino sobre a igreja tem sido desprezado por muitos, por ser tomado como algo sem tanta importância. Apesar de alguns temas serem mais essenciais como as doutrinas de Cristo e da Salvação, ou mais emocionantes como as manifestações do Espírito Santo e as últimas coisas, a doutrina da igreja é essencial para entendermos o nosso próprio papel no Reino de Deus. A igreja foi projetada e criada por Deus para prover alimento espiritual e oferecer uma comunidade de fé para o crente. Logo trata de fundamentos importantes para o nosso comportamento individual e ministério cristão. A primeira referência à igreja está em             (Mt 16:18), quando Jesus afirma: “Edificarei a minha igreja”. O termo empregado aqui para igreja é “ekklêsia” que significa “chamadas para fora”.

A igreja é um grupo de pessoas chamadas por Deus para fora do mundo, inseridos em Cristo e habitados pelo Espírito Santo. Podemos afirmar então, que a igreja é uma assembléia, uma congregação, um agrupamento de pessoas reunidas como uma comunidade de fé que compartilha das bênçãos e responsabilidades de servir ao Senhor.

DEFINIÇÕES DE IGREJA

Hoje “igreja” comporta vários significados. Refere-se erroneamente ao prédio onde os crentes se reúnem (Ex. Estamos indo à igreja). Pode indicar a nossa comunhão local ou denominação (Ex. A minha igreja ensina o batismo por imersão) ou um grupo religioso regional ou nacional (Ex. a igreja do Brasil). A palavra é freqüentemente empregada para referir-se a todos os crentes nascidos de novo, independente de suas diferenças geográficas e culturais (Ex. a igreja do Senhor Jesus Cristo). Seja como for, o significado bíblico de igreja diz respeito a todas as pessoas reconciliadas com Deus mediante a obra salvífica de Cristo e que agora pertencem a Ele. Onde houver um coração lavado pelo sangue de Jesus e regenerado pelo Espírito, aí estará a igreja.

A ORIGEM DA IGREJA

A morte de Cristo efetivou a nova aliança (Hb 9:15-16), portanto encontramos a formação da igreja em (Jo 20:21-23), pois os discípulos aqui já eram crentes (Jo 20:29). Apesar disso é claro que a inauguração da igreja ou seu reconhecimento público se deu em Pentecostes, estando a sua origem intimamente ligado a obra do Espírito (Jo 16:7; At 20:28; I Co 12:13). Existem mais de oitenta termos neotestamentários indicando o significado e o propósito da igreja. Vejamos alguns:

a) – O POVO DE DEUS

Por toda a Bíblia a igreja é retratada como povo de Deus (compare II Co 6:16 com  Lv 26:12).  Assim  como  o  povo  de   Israel, a  igreja  é  criação  de  Deus,  adquirida  por   Ele (I Pe 2:9-10; Dt 10:15; Os 1:10). A igreja é um corpo eleito não porque foi escolhido arbitrariamente por Deus, mas porque o Espírito Santo santifica ativamente os crentes que se deixam moldar a imagem de Cristo (Rm 8:28-29). O povo de Deus é chamado “santo” não por ser perfeito ou superior, mas porque pela iniciativa divina os crentes são chamados para ser santos (I Co 1:2), o povo de Deus também é chamado de “crentes” dando a entender que é um povo que não somente creu em algum momento no passado, mas vive em constante atitude de fé, confiança, obediência e dedicação ao seu salvador.

Além de crentes, a Bíblia também os chama de “irmãos” para expressar o fato de que os cristãos são chamados para amar, não somente ao Senhor, como também uns aos outros (I Jo 3:16). Esse amor e dedicação mútuos independe do coração ou do cargo individual no ministério (Mt 23:8). Outro termo utilizado pelas escrituras é “discípulo” que significa “aprendiz”; “aluno” ou “estudante”. Ser aluno nos tempos bíblicos significa muito mais do que assimilar mentalmente informações dadas pelo professor. O aluno devia imitar o seu caráter e conduta (Jo 8:31). A vida do discípulo não é fácil ou popularmente atraente (Lc 14:26-33) mas é essencial para quem deseja seguir a Jesus.

b) – O CORPO DE CRISTO

Figura bíblica da máxima importância para em primeiro lugar expressar a importância da unidade, devemos estar unidos ao corpo de Cristo que é a sua igreja (I Co 12:4,7,12,13 e 25; Rm 12:15) Apesar de expressar essa união, a igreja como corpo fala da diversidade dos membros (I Co 12:14; Rm 12:4) e de seus dons espirituais (I Co 12:7-11, 23-33; Rm 12:4-8) e ministeriais (Ef 4:11) Dessa forma há uma “unidade na diversidade” dentro do corpo de Cristo. Cada crente deve estar cooperando com os demais membros e esforçando-se em prol da edificação de todos, compartilhando sofrimentos e alegrias (I Co 12:26), ajudando na restauração daqueles que caíram (Gl 6:1) ou mesmo levando o fardo um dos outros (Gl 6:2). O último aspecto da figura do corpo de Cristo é o relacionamento entre o corpo e sua cabeça, Jesus Cristo (Ef 1:22,23; 5:23). Tentar se relacionar com cristo (cabeça) sem fazer parte do corpo (igreja) é um grande erro (Hb 10:25).

c) – O TEMPLO DO ESPÍRITO

Da mesma maneira como cada crente é um templo do Espírito (I Co 6:19), a igreja também o é, como um todo (I Co 3:16-17). O Espírito não somente habita na igreja mas também lhe transmite poder para o serviço (At 1:8). Como todo templo a igreja tem um alicerce, o “fundamento dos apóstolos e profetas(Ef 2:20) que é Jesus (I Co 3:11). Sendo Ele a principal pedra de esquina (Ef 2:20-21; I Pe 2:6-7) e os cristãos as pedras vivas que compõe toda a construção (I Pe 2:5).

O PROPÓSITO DA IGREJA

A igreja esta hoje na Terra para ministrar adoração a Deus, edificação uns aos outros e evangelização ao mundo. A adoração não precisa ser limitada aos cultos regulares, mas deve estar presente em todos os aspectos de nossa vida (I Co 10:31). Uma comunidade que adora é abençoada,  fortalecida  espiritualmente  e  amadurecida  na intimidade  com  Deus. A igreja também  deve   ser   uma   comunidade   edificante   (Ef 4:12-16),  como  um  lugar   de   ensino (Mt 28:20; Ef 4:11-12), administração de correção espiritual em amor (Ef 4:15; Gl 6:1) de suprimento aos necessitados (II Co 9). Em terceiro lugar a igreja deve ser uma comunidade evangelística, cumprindo a ordem (não sugestão) de Jesus (Mt 28:19; At 1:8). Ele comissionou a igreja a ir com sua autoridade (Mt 28:18) e no poder do Espírito Santo (At 1:8) que levaria a convicção do pecado (Jo 16:8-11) ao mundo, quebrando toda resistência humana ao evangelho. Todo crente genuíno, portanto é um adorador, um edificador e um evangelista.

Leitura sugerida:

A história da Igreja Cristã – Jesse Lyman Hurlbut

Unidade: A força da igreja – Gordon Lindsay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s