OBSERVE A SINALIZAÇÃO! – Romance Real

OBSERVE A SINALIZAÇÃO!

No trânsito existe todo um arsenal de sinalização, colocado ali com o intuito de alertar os motoristas e pedestres de todos os detalhes de circulação naquelas vias. O relacionamento entre rapazes e moças é regido pela mesma lógica. Deus colocou sinais e placas de advertência ao longo do caminho. Esses sinais e placas, quando observados no relacionamento a dois, vão nos garantir uma vida de sucesso e vitórias constantes.

A. Hábitos errados do namoro

1. O namoro leva à intimidade, mas não necessariamente ao compromisso

O Namoro busca a intimidade, a aproximação, estar junto sem nenhuma intenção real de compromisso a longo prazo. É mais ou menos o seguinte:

Eu chamo minha pretendente e digo: Eu preciso de um parceiro para escalar uma montanha. Vamos comigo? Ela aceita e vamos. Então, subimos e vamos nos envolvendo e escalando a montanha. Na hora em que chegamos a 600 metros de altura e eu preciso dela para segurar a corda ou eu cairei os 600 metros em queda livre, ela diz: O negócio é o seguinte, eu não estou me sentindo confortável aqui com você amarrado a essa corda., Estou fora! Se vira!

Entendeu? É assim que acontece. O relacionamento parecia íntimo, mas não havia compromisso. Ou seja, havia o agarrar, os beijos, etc. Mas, na hora em que a coisa aperta, a pessoa diz tchau.

O namoro traz intimidade, mas não traz compromisso. E por quê? O Namoro é como um bolo só com cobertura, sem recheio. É lindo, mas quando você come, passa mal, porque só tem chantilly. Ele é egoísta.

A intimidade sem compromisso desperta desejos emocionais e físicos que nenhum de nós pode satisfazer. Em I Tessalonicenses 4.6, lemos: “e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador”

2. O namoro leva a pular a fase da amizade

Quando somos amigos de alguém, não nos preocupamos em fingir ser outra pessoa que não nós mesmos. Na amizade, somos o que somos e pronto. Quando entramos no namoro, usamos máscaras, ficamos três horas em frente ao espelho ensaiando o que dizer. O comportamento que apresentamos não é nosso. Mesmo que não queiramos enganar, quando entramos no namoro vendemos uma imagem de outra pessoa: arrumadinha, bonitinha e jóia. Tudo parece bom, mas não sabemos como é a pessoa no seu dia a dia.

De vez em quando vemos alguma mulher chorando, e dizendo: “Não foi com este homem que eu me casei. Ele não era assim antes”. Por quê? Porque o relacionamento pulou a fase da realidade.

Ela não o conheceu antes na amizade, na realidade, por isso se casou achando que era uma pessoa, mas descobriu não ser nada daquilo. De manhã, o encanto do “príncipe encantado” acaba e o “sapo desencantado” aparece novamente: a maquiagem sai, o olho incha, a baba escorre… Que horror!

O Namoro tira a oportunidade de se conhecer o “príncipe” com antecedência.

3. O namoro confunde prazer físico com amor

Dois lábios que se encontram não significam dois corações que se unem. Corpos atraídos não significam que uma pessoa foi feita para a outra. É muito pouco. Se entendermos que o amor está ligado ao relacionamento físico, precisamos agarrar e ser agarrados para nos sentirmos amados.

Ficamos impressionados quando vemos algumas mães se chocarem ao ouvir sobre o Romance Real. A mentalidade delas é que se não houver “agarros” é porque o rapaz não quer a moça. A mãe, no desejo de ver a filha casada, diz: “Se você escutar esse pastor e não parar para agarrar esse rapaz, que é um partidão, você vai ficar pra titia”. Isso é o que passa na cabeça dela. É o mesmo padrão mundano, porque a mente dela também nunca foi renovada.

Pense comigo. Quem ama mais a garota? Um homem que é capaz de ficar um ano com ela, sem que a agarre, ou aquele que deixa claro que se não for para ficar e amassar, não dá para continuar? Isso certamente irá produzir sentimentos de acusação e culpa na lua-de-mel. É o fruto de praticarmos algo estranho e pecaminoso sem a bênção de Deus.

Existe namoro na Bíblia? Sim, por exemplo, Sansão e Dalila, Davi e Bate-Seba. Mas, vejamos o fruto desses relacionamentos. Sansão terminou com os olhos furados e preso em cadeias, e Davi praticamente arruinou toda a sua família e o seu reino. Mas vemos também Rute e Boaz, dos quais descende Jesus.

4. O namoro isola o casal de outros relacionamentos

Normalmente o casal se envolve ao ponto de esquecer os amigos, os pais, os irmãos e, o pior de tudo: de Deus. Se esquecem dos amigos que se importam com eles, se esquecem dos pais que são as pessoas que mais os conhecem e amam.

O Namoro faz com que suas vidas se resumam apenas aos dois. Pensam que podem viver sozinhos no mundo sem precisar de mais ninguém, só os dois. Quebram um princípio de Deus que está em Provérbios: “Na multidão de conselheiros há sabedoria”. Num belo dia o prazer acaba e então se vêem com um grande problema: se sentem sozinhos porque não têm ninguém com quem compartilhar.

O relacionamento de Deus não exclui as pessoas, antes inclui mais pessoas. O namoro exclui as pessoas da paixão pela obra de Deus e do desejo pelo ministério, tira das pessoas a fome e a sede pela Palavra de Deus e as afasta da adoração. O Romance Real é inclusivo, ao passo que o Namoro é exclusivista, por isso que este último não pode ser de Deus.

5. O namoro impede os jovens de se prepararem para o futuro

Quando os jovens se envolvem com alguém de forma errada e mundana, se desviam dos propósitos de Deus para as suas vidas. O tempo que teriam para crescer e consolidar suas vidas nos estudos, no trabalho e na obra de Deus, foi gasto em um namoro sem compromisso.

O Namoro é egoísta e visa apenas à auto-satisfação. No futuro, quando olharem para trás, talvez não tenham mais condições de se recuperar. O tempo terá passado e terão perdido oportunidades na sua vida. O Namoro faz isso, desvia os jovens de coisas importantes.

6. O namoro causa desgosto com o dom de estar solteiro no tempo de Deus.

O mundo diz que os jovens serão infelizes se não namorarem e os coloca numa ciranda louca para arrumar alguém e acaba com a oportunidade ímpar que Deus lhes deu: a época de estar solteiro.

Quando estamos solteiros, temos a maior oportunidade de nossas vidas. Esta é a época em que temos a maior energia e disposição. Conseguimos nos envolver com tantas coisas: a obra de Deus, o trabalho, a escola, jogamos bola e conversamos. Mas depois que nos casamos, não há mais esse tempo. Esse é o tempo oportuno de Deus para crescermos e servirmos ao Senhor. No entanto, quando nos envolvemos em relacionamentos sentimentais fora da época de Deus e sem compromisso, perdemos essa bênção.

O Namoro nos desvia do dom de estar solteiro.

7. O namoro cria ambientes artificiais para avaliar o caráter da pessoa

O Namoro desvia a pessoa daquilo que de fato ela é. Alguém disse que somos o que somos quando estamos sozinhos no escuro. Não se conhece ninguém em dia de festa. Conhecemos a outra pessoa quando “pisamos no calo dela”, quando dizemos um não para a pessoa e ela estoura. Aí sim, nesta hora é que a conhecemos. Ninguém é o que aparenta em dias de festa.

Quem somos quando ninguém está nos vendo? O Namoro destrói essa realidade.

Devemos orar para que os problemas apareçam durante o Romance Real e que possamos conhecer a outra pessoa em ambiente real.

Ao considerar alguém para se casar é necessário encontrar respostas a estas questões: Como ele ou ela é? Como é quando fica nervoso/a? Como trata os pais? Como é na hora em que é contrariado/a? Irmãos e irmãs orem e peçam a Deus para que Ele gere circunstâncias que mostrem quem é a pessoa na qual estão interessados. Vocês não podem se casar em ilusão. Lembrem-se sempre que o namoro tira a realidade e traz a mentira.

8. Desocupados ou reservados?

Uma grande diferença entre o Namoro e o Romance Real diz respeito ao cuidado com a vida enquanto estamos solteiros. O Namoro prega a total liberalidade, dizendo que podemos estar com quem quisermos até achar o que é nosso, já que somos solteiros e não estamos ocupados. Mas há diferença entre não estar ocupado e estar reservado.

Existem pessoas que estão ocupadas, são casadas. Mas o jovem que não é casado está reservado. Há alguém que Deus reservou para ele. Esta é mais uma diferença gritante entre o Romance Real e o Namoro.

Suponhamos que um jovem esteja apaixonado por uma moça e deseje muito agradá-la. Ele decide fazer isso pegando algumas jóias de outra moça, sem que esta veja e com essas jóias roubadas presenteia a sua namorada. Há algo de errado nisso: as jóias não são dele.

Mas o rapaz diz, irresponsavelmente: Eu te amo. Acontece que isso também é um roubo. O problema é que o rapaz está querendo abençoar a moça com um sentimento que ele não sabe a quem pertence. Nós não podemos pegar algo que não é nosso e dar para alguém.

A Bíblia nos ensina que todos nós pertencemos a alguém, além do Senhor e de nossos pais. Em I Coríntios 7.4, o apóstolo Paulo diz: “A mulher não tem poder sobre seu próprio corpo, e, sim, o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e, sim, a mulher’

Percebem? Segundo a Palavra, além de ser de Deus, o homem pertence à sua esposa e a esposa pertence ao seu marido. Todavia, Deus certamente conhece quem é o seu cônjuge. Na verdade, embora não o conheça, cada jovem já o tem, já pertence a ele. Falta apenas a “escritura”. Então, todas as vezes que damos nossos corpos, corações ou sentimentos para alguém que não os nossos cônjuges, estaremos roubando nossos futuros cônjuges. Seu coração e seu corpo não são desocupados, eles pertencem ao seu cônjuge.

Quando o jovem dá o seu corpo ou o seu coração para outra pessoa, ele rouba o seu cônjuge, que é o seu verdadeiro dono. E quem rouba, mais cedo ou mais tarde, será punido.

A diferença entre ser casado e estar solteiro é que o casado já está ocupado e o solteiro está reservado, ou seja, não está disponível. Todavia, muitos jovens que não são radicais em Deus, ainda não tiveram revelação desse princípio. Em vez de se verem reservados para o seu cônjuge, se sentem disponíveis. Sabe o que acontece com eles? Um monte de pessoas com as calças sujas e sem modos começa a se sentar nessas cadeiras, ocupando-as de maneira indevida. Alguns as ocupam por três meses; outros, por um ano.

B. Valorizando o futuro

Vamos supor que, numa outra situação, tenhamos R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais) para comprar um carro. Compraremos um carro zero ou uma Variant ano 1977, sem porta? No casamento acontece assim. Questionamos nosso cônjuge: “Puxa! Foi assim que você se guardou para mim? Eu lutei pra caramba para ter os cinqüenta mil, me santifiquei e agora você está assim”?

Daí vem o sofrimento no casamento. O casal acaba tendo um relacionamento cheio de crise e confusão, porque não houve santificação. O que era um sonho se tornou um inferno e tudo porque os jovens destruíram aquilo que ainda não lhes pertencia.

 

 

C. Quatro bases indispensáveis antes do relacionamento

Para nos prepararmos para uma vida romântica totalmente real, é importante termos algumas convicções bíblicas como uma base ou um alicerce firme:

1. Declare: Meu Deus é poderoso (lsaías 40; Efésios 3.20; Apocalipse 19.6).

Podemos entender claramente este fundamento quando olhamos para o primeiro Romance Real (RR) da Bíblia, em Gênesis capítulo 2.

Deus viu que não era bom o homem estar só. Então Ele criou Eva. Ele pode também criar a pessoa certa para você! A Bíblia diz que Eva foi a auxiliadora idônea — perfeitamente adequada! Deus te conhece melhor que você mesmo.

Nosso Deus é tão poderoso que pode trazer a pessoa certa de onde for necessário! Não pense que se você sair para missões você estará perdendo a sua oportunidade! Deus pode levar o seu príncipe ou a sua princesa lá para o meio do mato, ou para uma grande cidade!

2. Declare: Meu Deus é pessoal. Ele tem um lindo plano para sua vida. É preciso querer esse plano acima de tudo. Às vezes o que nós achamos que precisamos não é o melhor para nós. Ele sabe o que você precisa.

Você estaria disposto a renunciar ao casamento se Deus tiver planos melhores para você? Você tem condições de dizer ao Senhor: “Faça a Sua vontade e não a minha?”

Deus sabe os desejos do seu coração. Peça a Deus que Ele faça dos seus desejos os desejos Dele (Salmo 37. 4).

Deus não fez Eva, Maria, Marta, Solange, Suely e Telma para que o Adão escolhesse aquela que mais lhe agradasse. Não. Ele fez Eva e levou-a para Adão!!! Creia que Ele pode fazer o mesmo com você!

3. Declare: A palavra de Deus é verdadeira e atual (Hebreus 4.12; João 17.17; II Timóteo 3.16,17).

Apesar da Bíblia ter sido escrita há tantos anos, todos os princípios se aplicam para hoje. Nós precisamos decidir obedecê-la mesmo que seja contra a nossa natureza ou cultura. Assim, temos que basear esta área romântica da nossa vida em princípios bíblicos.

4. Declare: Eu quero mais intimidade com Jesus

Você precisa desenvolver um relacionamento íntimo com Deus, aprendendo a ouvir e obedecer a Sua voz e conhecendo o coração de Deus.

Onde está a sua segurança? Precisamos chegar ao ponto de estarmos totalmente realizados e seguros no Senhor.

Você já aprendeu a deixar o Espírito Santo satisfazer as suas necessidades emocionais, físicas, espirituais? Busque intimidade com o Espírito Santo!

D. Diferença entre regras e princípios bíblicos

Apesar do termo “Romance Real” não estar na Bíblia, ela tem muitos ensinamentos que se aplicam ao assunto de relacionamentos entre rapazes e moças. Para colocar estes ensinamentos em prática nas nossas vidas é importante compreendermos a diferença entre regras e princípios bíblicos.

A regra controla uma área específica, enquanto o princípio controla uma área mais ampla. Existem regras bíblicas e regras humanas. Existem princípios bíblicos e princípios humanos. ,“Não pode usar vestido sem manga”, é uma REGRA humana, enquanto um PRINCIPIO bíblico sobre vestuário é: Deve vestir-se modestamente (I Timóteo 2.9).

1. A Bíblia tem regras para todas as circunstâncias da vida?

A Bíblia tem muitas regras, por exemplo: “Não matarás”; “não dirás falso testemunho”, etc. Mas também para muitos aspectos das nossas vidas diárias não existem regras bíblicas.

Por exemplo, a Bíblia não diz: “Não fumarás” ou “não assistirás novelas na televisão”. Mas existem princípios bíblicos que se aplicam a esses assuntos. Sobre fumar, tem este princípio bíblico: Os nossos corpos são templos do Espírito Santo. Sobre novelas, tem este princípio bíblico: “Remindo o tempo porque os dias são maus” (Efésios 5.16). Também existem outros princípios bíblicos que se aplicam a estes assuntos.

 

 

2. É mais importante seguir regras humanas ou princípios bíblicos?

Existem algumas igrejas que além de ensinarem as regras bíblicas, também ensinam muitas regras humanas. Muitos crentes em Cristo, seguem estas regras sem saberem aplicar princípios bíblicos em suas vidas. Um seguidor de Jesus que não sabe aplicar princípios bíblicos em sua vida diária é espiritualmente fraco e sempre terá problemas pois é impossível ter regrinhas para tudo o que enfrentará na sua vida diária.

Por exemplo: Pode um verdadeiro cristão jogar bola? Pode ir ao cinema? Pode dançar? etc. A Bíblia não tem REGRAS que tratam diretamente destes assuntos, mas para um crente em Cristo espiritual a Bíblia tem PRINCÍPIOS que o ajudarão saber a vontade de Deus sobre estes assuntos.

O Novo Testamento põe mais ênfase em princípios do que em regras, pois seria impossível ter regras para todos os aspectos da vida. Todos os dias o seguidor de Cristo encontra-se diante de muitas circunstâncias diferentes. Para qualquer circunstância imaginável a Bíblia tem PRINCÍPIOS que o cristão espiritual pode aplicar para saber a vontade de Deus.

Regras humanas que são baseadas em princípios bíblicos podem ser boas e mesmo necessárias para o bom funcionamento de uma comunidade cristã. Contudo, é mais importante que o cristão saiba aplicar os princípios bíblicos e fazer as suas próprias regras, do que a igreja impor muitas delas, pois, desta forma, mesmo nas áreas em que a igreja não tenha regras definidas, o cristão saberá aplicar princípios bíblicos e criar suas próprias regras para governar sua conduta.

Quando a liderança de uma igreja procura conduzir os irmãos para uma vida governada por princípios bíblicos exige mais da liderança e da igreja em geral, pois a liderança precisará dar mais ajuda e instrução individual para que aprendam aplicá-los em toda circunstância. Semelhantemente, os irmãos precisarão usar seu próprio discernimento espiritual, mas a conclusão é muito superior: Ao invés de ter uma igreja composta de bebês espirituais que precisam de instruções para cada passinho que vão tomar, terá uma igreja composta de irmãos amadurecidos, que sabem enfrentar os desafios do mundo sujo em que vivemos e rechaçar todos os ataques do inimigo.

3. A Bíblia tem regras ou princípios específicos sobre romance real?

Semelhantemente, sobre muitos dos aspectos do Romance Real a Bíblia não tem regras, mas existem princípios Bíblicos que se aplicam em todo aspecto de relacionamentos.

Vamos agora estudar alguns princípios Bíblicos que estão relacionados com o assunto de Romance Real, mas que também podem ser aplicados a outras áreas da vida cristã.

Estude como foi o primeiro casamento — Adão e Eva — e veja os princípios bíblicos que podem ser aplicados para hoje.

Por exemplo: O que Adão fez enquanto Deus preparava a sua esposa? (Gênesis 2.21) Dormia. Você tem condições de descansar no Senhor enquanto Ele planeja sua vida?

O princípio seria de descansar no Senhor enquanto Ele prepara seu cônjuge.

Outro princípio: Deus apenas criou uma Eva para Adão, não várias e mandou Adão escolher entre elas qual que ele mais gostava.

Tem muitos princípios que podemos também aprender da vida da Rebeca em Gênesis 24. Alguns são:

1. Não seja preguiçoso

2. Seja hospitaleiro

3. Tenha um bom relacionamento com sua família

4. E muitos outros!

E. Alguns princípios bíblicos

1. Amar a Deus de TODO coração, alma, entendimento e força (Marcos 12.30-31).

2. Fazer TUDO para a glória de Deus (I Coríntios 10.31).

3. Fazer TUDO em nome de Cristo (Colossenses 3.17).

4. Buscar em primeiro lugar o reino de Deus (Mateus 6.33).

5. Não entrar em jugo desigual (II Coríntios 6.14-1 8).

6. Não conformar com este século, mas transformar (Romanos 12.2).

7. Honrar, obedecer, e respeitar pai e mãe (Efésios 6.1-3).

8. Respeitar e honrar opinião dos líderes espirituais (Hebreus 13.17; 1 Tessalonicenses 5.12-13).

9. Não ser causa de tropeço para crentes e descrentes (I Coríntios 10.32-33; Colossenses 3.1-3 e Colossenses 4.5).

10. Evitar a aparência do mal (I Tessalonicenses 5.22).

11. Remir o tempo (Efésios 5.15,16).

12. Entender que estamos em tempo de guerra (II Timóteo 2.3-4; Efésios 6.12).

13. Andar pela fé (II Coríntios 5.7).

14. Pensar nas coisas lá do alto, não nas da terra (Colossenses 3.1-3).

15. Nossos corpos são templos do Espírito Santo (I Coríntios 6.18-20).

16. Fugir da lascívia e impureza (II Timóteo 2.22; I Coríntios 6.18; Gálatas 5.19 e 24).

17. Dois se tornam uma só carne (Mateus 19.5-6).

18. Comportando-nos como irmãos (I Timóteo 5.1-2).

19. Purificando-nos para ser vasos santificados e úteis a Jesus (II Timóteo 2.20-21).

20. Escolher o “melhor” entre o “bom” e o “melhor” (Filipenses 1.9-10).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s